Fórum de Sustentabilidade do Rio debate estratégias de transformação social

Por Aline Souza – aline.souza@balzaqueando.com

Informação qualificada auxilia na definição de metas sustentáveis para a metrópole

Nos dias 13 e 14 de julho a Associação Comercial do Rio (ACRio) sediou o Fórum de Sustentabilidade do Rio, uma iniciativa que reuniu diversas entidades dos setores público/privado, organismos de pesquisa, redes internacionais, terceiro setor e população para debater as melhores práticas de sustentabilidade para a região metropolitana, afim de criar e monitorar metas reais com base em diagnósticos amplos que dão base para a construção de políticas públicas eficientes.
O Fórum discutiu acordos entre esses seis setores em quatro linhas de ação: Juventude e Favelas, Despoluição da Baía da Guanabara, Geração de informação qualificada sobre a cidade e Uma Nova Economia. A ideia é fortalecer uma rede de informações, coordenada pelo Cariocas em Ação, que servirá de base para o Centro de Resiliência Metropolitana, que deve ser lançado em junho de 2017. Neste espaço haverá a reunião das representações de cada setor, incluindo a população por meio de aplicativos, com o objetivo de colocar em prática os compromissos assumidos.
Na ocasião, Eduarda La Rocque, presidente da Cariocas em Ação e fundadora do Pacto do Rio, falou sobre a importancia da informação como ferramenta de construção da sustentabilidade. “Precisamos tornar as políticas de sustentabilidade em políticas de Estado e não de governo. É preciso criar um modelo de governança que envolva os seis setores mais importantes para esta transformação ocorrer, afinal, a redução da desigualdade é um objetivo de maior valor compartilhado e de maior IPS (Índice de Progresso Social)”, disse. Para ela, o desenvolvimento de áreas vulneráveis é garantia de investimentos futuros para a cidade.
No entanto, para atingir todos estes objetivos, conscientizar a população é fundamental. Com inovação é possível gerir as causas sociais de modo que sejam unidos os projetos que já existem para articular as pessoas em torno de ações de transformação. Nesse sentido, a Cariocas em Ação conta com o Fórum, onde a rede integrada irá promover as mudanças, com um escritório de cidadania onde os agentes atuam na mobilização popular e conta ainda com o portal virtual que se torna o meio capaz de difundir a informação, gerindo as ações de maneira que todos possam participar.
Luciana Nery, gerente de resiliência da COR (Centro de Operações da Prefeitura do Rio), apontou alguns indicadores estratégicos para a prosperidade da população, mesmo que esta seja exposta a situações adversas. Segundo ela, aprofundar o conhecimento sobre o microclima da cidade e mitigar impactos de eventos; preparar a cidade para possíveis eventos climáticos; criar espaços urbanos verdes, frescos, seguros e flexíveis; promover recursos como água, energia, comida e resíduos de qualidade para todos aqueles que trabalham com a reciclagem; promover a economia inclusiva, diversa, circular e de baixo carbono e promover a resiliência da população com coesão social são alguns aspectos importantes para esse desenvolvimento sustentável de uma metrópole resiliente.

Assista abaixo o vídeo em que Luciana faz esta abordagem:

Além disso, informação qualificada também está ligada a um tema super importante, que fornece dignidade para as pessoas: a criação de moradia social no Brasil. Estamos falando de um direito previsto na Constituição, mas que ainda é negligenciado pelo poder público. A urbanista Júnia Santa Rosa afirmou que produzir informação especializada nas cidades tem um alto custo. “Não se produz esses dados porque falta interesse orçamentário para investir. Também é muito pouco debatida a questão da mobilidade e ocupação do solo urbano e romper com isso é nosso grande desafio para a contrução de uma cidade sustentável”, disse. Sustentabilidade urbanística na dimensão da moradia é o chão. Investir nesse conceito é fundamental para mudar o paradigma atual.

Inovação, inteligência e informação
A rede Cariocas em Ação é uma sociedade sem fins lucrativos criada para defender os interesses da população no Pacto do Rio. Ela pretende trabalhar alinhada em um modelo integrado de planejamento e gestão visando o aumento da qualidade de vida urbana e a redução das desigualdades sociais e territoriais do Grande Rio. Esta também é uma das metas que norteia o Pacto do Rio, que pretende tornar a região metropolitana mais sustentável.
O Pacto do Rio foi criado na instância do poder público pelo Instituto Pereira Passos, órgão municipal responsável pelas informações da cidade e que passou a cuidar da UPPSocial, mais tarde Rio+Social. O objetivo era prover serviços públicos às favelas pacificadas com qualidade, mas evoluiu também na promoção da justiça social, do uso eficiente e sustentável dos recursos econômicos e naturais, bem como a boa governança- ética, com transparência e mecanismos de participação. Através do Pacto do Rio o Fórum de Sustentabilidade e a Cariocas em Ação foram criados.
O Fórum é permanente e manterá suas atividades tanto virtuais, em seu site, quanto presenciais, na realização de encontros periódicos entre os seis setores, chamados “Encontros E Aí?”

Acompanhe: http://forumdesustentabilidade.rio/
FB: www.facebook.com/pactodorio

Fotos do Evento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *