Cerveja é coisa de mulher sim, senhor!

Por Renata Oliveira – renata.oliveira@balzaqueando.com

Empreendedora do mercado cervejeiro lança novidades durante Mondial de la Bière – evento internacional que aconteceu esta semana no Rio

2017-10-13-PHOTO-00000025O Rio recebeu entre os dias 11 e 15 de outubro a 5ª. edição do Mondial de la Bière, um dos principais eventos de degustação e difusão da cultura cervejeira do país. O espaço de 17 mil metros quadrados dos três armazéns do Pier Mauá hospedaram, por cinco dias, 161 cervejarias, um recorde internacional, ultrapassando o evento do Canadá. As marcas apresentaram mais de 1.200 rótulos da bebida, entre elas destaque deste edição foi as de estilo sour beer: cervejas pouco amargas e mais refrescante, com aromas e sabores frutados. Foi essa a aposta das marcas para o verão. Percorrendo os estandes era possível experimentar cervejas feitas com jabuticabas, uva, maracujá, goiaba, seriguela, morango e melancia e perceber que a cada ano o evento e o mercado cervejeiro crescem e se reinventam.

O evento que reuniu 50 mil pessoas também se consolida como um espaço para mulheres admiradoras da bebida e empreendedoras. Não poderia ser diferente já que Brasil é o terceiro maior produtor de cerveja do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e China. E como as mulheres são maioria da população, estavam lá por todo lado, dos dois lados do balcão, bebendo ou empreendendo.

Nos 5 dias em meio a 161 marcas da bebida, 24 food truck de delícias e 32 bandas e muitos goles, conversamos com Mônica Mendonça, sócia da cervejaria Angels and Devils. A empresa de Nova Fribugo, fundada há pouco mais de um ano, investe na fabricação e distribuição da bebida, paixão nacional. Formada por um time de mulheres empreendedoras e amantes de cerveja, ela garante que atuar neste meio tem sido um desafio. Diria que estamos quebramos um paradigma. Algumas pessoas duvidam da nossa capacidade, mas mudam de ideia ao provar o nosso produto.” – conta Mônica.

O Mondial de la Bière tem relevância internacional, sucesso no Canadá e na França, está há cinco anos na Cidade Maravilhosa e se apresenta como uma vitrine de lançamento para a produção de cervejas artesanais e revela a cada ano, novos empreendedores. De acordo com a organização do evento, na primeira edição do Mondial, o Rio de Janeiro contava com menos de 20 bares de cerveja artesanal. Hoje, o número varia entre 170 a 200 estabelecimentos.

As marcas da bebida nacionais e importadas aproveitam o evento para apresentar novidades e tendências. Muitos novos rótulos surgem para serem degustados em primeira mão. Mônica comemora sua segunda participação no Mondial de la Bière em apenas um ano de vida de seu negócio. “O evento é de grande importância para quem está neste mercado. Apresentamos a nossa nova aposta Aruna, uma American IPA: uma cerveja lupulada e mais amarga.” – comemora Mônica.2017-10-13-PHOTO-00000027 (1)

A empresária, que é engenheira por formação, no início da carreira trabalhou em automação de processos, principalmente em cervejaria. Depois virou gerente de projetos na área de otimização de processos. Com experiência no setor e admiradora da bebida, Mônica Mendonça uniu-se a sócia, a sommelier de cervejas, Daniela Medeiros, e com um investimento de cerca de R$ 300 mil, juntas fundaram a cervejaria Angels and Devils. E a equipe cresceu assim, bem feminina. As colaboradoras Andreza Marini e Priscila França completam o time. “Temos o apoio de um ajudante que nos auxilia pontualmente nas atividades que requeiram mais força física, como limpeza dos equipamentos, por exemplo.” – destaca Mônica.

Num momento de instabilidade econômica e política do Brasil, o empreendedorismo tem sido alternativa para muitas mulheres. O mercado cervejeiro mostra sinais de crescimento, mas de acordo com Mônica, é preciso criar estratégias para sobreviver à crise e ainda se destacar da concorrência.  “No estado do Rio estamos sentindo na pele a crise financeira. É importante buscar sempre a produção de produtos de qualidade para manter o posicionamento, mesmo neste cenário delicado.” – alerta Mônica.

Além de Mônica e sua equipe formada por mulheres, era fácil ver grupos de mulheres circulando ou trabalhando no evento. A organização do Mondial de la Bière conta com um time feminino de primeira. Na direção do evento, Luana Cloper, admiradora e especialista na bebida comemora a contribuição do Mondial para o crescimento do mercado revelando empreendedoras: “O Mondial de la Bière é a plataforma que une todas as pontas do mercado cervejeiro. É o grande encontro entre as cervejarias que produzem, os consumidores que apreciam, empresários que investem e as escolas e instituições que promovem conhecimento”, afirma Luana.

22491579_1585405304853978_9004993228156278184_nEste ano, um novo estande atraiu homens e mulheres nos dias de festival. Pelo estúdio Lady Luck Tatoo, formado apenas por tatuadoras mulheres, fez sucesso nos dias de evento tatuando os visitantes com desenhos exclusivos sobre universo cervejeiro: ”Sentia falta dessa representatividade feminina no segmento. E hoje trabalhar no Mondial de la Bière é muito legal, conseguimos unir duas paixões, que é a tatoo e a cerveja. E estamos aqui para mostrar que tem mulher em todo lugar.” – comemora Eliana Quintella, sócia da Lady Luck Tatoo, que possui dois estúdios de tatoo e piercing na cidade do Rio.

O time de comunicação do evento também é formado por mulheres apaixonadas pela bebida. O Mondial de la Bière e ahistória mostram que cerveja é e sempre foi coisa de mulher. Listamos cinco fatos para você entender porque a cerveja sempre esteve na mão da mulherada:

  1. A cerveja foi descoberta, por acaso, por mulheres, nos anos 8.000 mil a.C, na Mesopotâmia, onde hoje seria o Iraque.
  2. Uma mulher é a grande deusa da cerveja – Ninkasi (c. de 1900-1800 a.C.);
  3. Durante a Idade Média, na Grã-Bretanha, mulheres chamadas de “Alewives” eram responsáveis pela produção de cerveja;
  4. Hildegarda Von Bingen é uma das grandes responsáveis pela introdução do lúpulo na bebida. A freira alemã beneditina é considerada a primeira a sugerir o uso da planta na bebida, por suas propriedades conservantes.Isso ocorreu no século X,
  5. Pesquisa Ibope comprovou que maioria (62%) das mulheres escolhe a cerveja na hora de comemorar bons momentos. Fonte: Instituto da Cerveja.

Que venha 2018 com muita cerveja e mulheres de sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *