Invasão cor de rosa no Flamengo, no Estádio e no Sócio-torcedor!

Por Carol Menesescarol.meneses@balzaqueando.com

O futebol, a cada dia que passa, é invadido pelas fãs do esporte, seja como: jogadoras, torcedoras, jornalistas, ou árbitras. Devido a isso os clubes decidiram apostar ainda mais seus jogos, incentivando o comparecimento de suas torcedoras e divas (porque não é preciso estar fora de moda para ser torcedora, né?). Esse é o caso do Flamengo, conhecido, mundialmente, por ter uma torcida que é patrimônio cultural do Estado do Rio de Janeiro desde 2007. O rubro-negro carioca lançou uma Campanha para incentivar um maior comparecimento das “Flánaticas”.

Como o Flamengo é um dos poucos times com uma equipe feminina de futebol: o Flamengo/Marinha, e é um dos times brasileiros que contém uma torcida bastante diversificada (contendo homens, mulheres, homossexuais, ricos, pobres, dentista, frentista, advogado, jornalista…), nada mais justo que criar uma campanha como essa. De acordo com Marcio Mac Culloch, diretor de comunicação do clube, a campanha #MaisMulherNoEstádio visa, não apenas, a presença feminina nos estádios, e também uma maior adesão ao seu programa, que tem apenas 8,6% de mulheres associadas de um total de 88.000 Sócio-torcedores.

Como o manto sagrado do Flamengo é tão forte, exemplo disso foi o fato de ter encantado até o renomado jornalista, e tricolor, Nelson Rodrigues – “Para qualquer um, a camisa vale tanto quanto uma gravata. Não para o Flamengo. Para o Flamengo a camisa é tudo.”, por que não criar uma camisa para reforçar a ideia da campanha e dar mais opções às gatas rubro-negras, que querem estar na moda e ainda mostrar sua garra ao torcer? Assim, o Flamengo lançou uma camisa comemorativa na cor rosa. Foram 3 mil unidades lançadas no site e algumas lojas físicas de grandes cidades do país. Porém, a camisa vendida no valor de R$ 349,99 gerou protestos na internet.

camisa-do-flamengo-2017-adidas-edicao-limitada-feminina-img (1)

Mesmo com os protestos, Marcio Mac Culloch, diretor de comunicação e relacionamento do Flamengo, garante que as vendas estão ocorrendo como o planejado e que as novas camisas devem se esgotar muito em breve, e ainda complementa: “Em todo lugar do mundo, camisas de edição limitada têm um preço diferente. Elas são itens raros, preciosos, de colecionador. Lembrando que em dezembro de 2015 o Flamengo e a Adidas, em parceria com a loja feminina Farm, lançaram uma linha fashion inspirada nas camisas do clube nos anos 80, que continha regata, camisa e cropped, com o objetivo de trazer aos estádios suas “FFs” (Flanáticas e Fashionistas).

Marcio deixou, ainda, um recado para todas as rubros-negras de coração, tanto as que têm a coleção da Farm, quanto as que compraram a camisa comemorativa lançada no dia da mulher, e também para aquelas que amam o Flamengo, mas não têm as condições necessárias para comprar a nova camisa: “Nossa mensagem é a mesma da nossa campanha institucional: lugar de mulher é no estádio, apoiando e empurrando o time em busca das vitórias. O Flamengo precisa muito de vocês!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *